NOSSAS ENTREVISTAS

Tema: Hiperplasia Prostática Benigna

 (071) 32... Ver mais >

Doença exclusiva do sexo masculino, a hiperplasia prostática benigna é uma disfunção caracterizada pelo aumento benigno da próstata, que é uma glândula que produz o sêmen. Seus sintomas podem comprometer significativamente a qualidade de vida do paciente. Por isso, hoje nós vamos falar sobre a embolização das artérias prostáticas, que é um procedimento minimamente invasivo que tem como objetivo proporcionar a melhora parcial ou mesmo total dos sintomas decorrentes do problema. Quem conversa conosco melhor sobre o assunto é o Dr. André Goyanna, médico especialista em radiologia intervencionista.

Viva Mais Viva Melhor – Qual é a função da próstata no decorrer da vida do homem?

André Goyanna – A próstata é uma pequena glândula do tamanho de uma noz, que fica localizada entre a bexiga e a parte inferior da pélvis masculina. A sua função no organismo é a de produzir parte do líquido que forma o esperma, ajudando a alimentar e proteger o espermatozoide.

Viva Mais Viva Melhor – E o que é hiperplasia prostática benigna? Existe alguma relação entre ela e o câncer?

André Goyanna – A hiperplasia benigna da próstata, como o nome já diz, é uma doença benigna, que é caracterizada pelo aumento de volume da glândula e consequentemente o estreitamento da uretra, a qual possui uma parte de seu trajeto no interior da próstata. Esse estreitamento da uretra é que irá proporcionar a maioria dos sintomas apresentados por estes pacientes. É importante lembrar que não existe relação da hiperplasia benigna da próstata com o câncer prostático e que são doença totalmente diferentes, apesar de poderem coexistir.

Viva Mais Viva Melhor – E quais são as causas da hiperplasia prostática? 

André Goyanna – A causa da hiperplasia prostática benigna ainda não é perfeitamente esclarecida, geralmente sendo multifatorial. O que se sabe é que existem fatores de risco, que incluem o antecedente familiar, a obesidade, o tabagismo e o sedentarismo.

Viva Mais Viva Melhor – E quais são os sintomas dessa doença? É importante que o paciente se submeta a uma análise do especialista?

André Goyanna – Os sinais e sintomas mais comuns são: a dificuldade de começar a urinar, um jato urinário fraco, retenção urinária, incontinência urinária – ou seja, não conseguir segurar a urina na bexiga – e a micção frequente, o que pode levar os pacientes a se levantar diversas vezes à noite para urinar.

Viva Mais Viva Melhor – É correto dizer que a hiperplasia prostática benigna é uma doença somente de idosos? Qual é a idade média ou a idade de maior prevalência?

André Goyanna – A hiperplasia benigna da próstata geralmente tem início depois dos 40 anos de idade e chega a afetar metade dos homens com mais de 50 anos. No entanto, a incidência da doença aumenta sim com a idade, chegando a acometer aproximadamente 90% dos homens com mais de 80 anos.

Viva Mais Viva Melhor – E o diagnóstico é basicamente clínico ou existem exames mais específicos para se detectar o problema?

André Goyanna – O diagnóstico é feito pelo médico urologista, o qual além do exame clínico, além do toque retal e outros exames complementares, tais como exame de ultrassom, ressonância magnética, exame de urofluxometria e estudo urodinâmico, chegará ao diagnóstico correto desse paciente, assim como definir a melhor alternativa de tratamento.

Viva Mais Viva Melhor – Quando é mais necessário fazer o tratamento da hiperplasia prostática benigna? E quais são as opções de tratamento?

André Goyanna – O tratamento deve ser instituído naqueles pacientes que apresentem uma hiperplasia prostática benigna e que possuam sintomas. Existe uma parcela de pacientes que apresentam aumento de volume prostático, mas não apresentam sintomas significativos. Estes devem ser acompanhados de perto pelo seu médico urologista e só iniciar o tratamento quando o médico em conjunto com o próprio paciente julgarem necessário. Existem inúmeras estratégias para tratamentos da hiperplasia benigna da próstata. Inicialmente pode-se usar medicamentos que tentam diminuir os sintomas e retardar a progressão do aumento da próstata. Quando a terapia medicamentosa não apresenta mais resultados significativos, recomenda-se aí o tratamento local da hiperplasia. A técnica mais aceita e consagrada na literatura médica ainda é a chamada de RTU – Ressecção transuretral do tecido prostático que fica ao redor da uretra, desobstruindo assim a passagem da urina. A cerca de oito anos, um novo procedimento chamado de embolização prostática começou a ser realizado em todo o mundo, no intuito de ajudar no tratamento desses pacientes e tem se mostrado bastante promissor para determinados casos.

Viva Mais Viva Melhor – E como é feita essa técnica de embolização da próstata? Quais são os riscos e benefícios para o homem?

André Goyanna – A técnica de embolização da próstata consiste em ocluir parte da circulação da glândula, de maneira a fazer com que a mesma reduza de tamanho. Ela é feita através de uma punção na virilha, por onde através de um cateter bem fino chegamos até as artérias que irrigam a próstata e a partir daí depositamos pequenas esferas que irão obstruir parcialmente a passagem de sangue para glândula, fazendo assim com que ela reduza de tamanho.

Viva Mais Viva Melhor – O que difere a embolização da próstata em relação a outros procedimentos cirúrgicos?

André Goyanna – A embolização da próstata é um procedimento que não necessita de que o paciente fique internado no hospital. Geralmente entre 4 a 6 horas após o término da embolização, o paciente já poderá retornar a sua residência. É um procedimento bastante seguro, não havendo na literatura médica relatos de complicações como incontinência urinária, impotência ou ejaculação retrógrada. Está bem indicada para pacientes de alto risco para realização da cirurgia clássica de RTU, tais como doentes que usem anticoagulante, idades muito avançadas ou que possuam doenças associadas, bem como para pacientes portadores de volumes prostáticos muito grandes.

Viva Mais Viva Melhor – Selecionamos uma pergunta através das nossas redes sociais que é a seguinte: A hiperplasia prostática benigna pode voltar após realizada a embolização? É possível refazer o tratamento?

André Goyanna – Os trabalhos recentes sobre embolização da próstata mostram um sucesso clínico a longo prazo de aproximadamente 76% no decorrer de seis anos e meio. Caso haja retorno dos sintomas e estes estejam associados a um novo crescimento benigno da próstata, o procedimento pode sim, perfeitamente, ser realizado novamente.

Viva Mais Viva Melhor – Tem como prevenir esse aumento benigno da próstata?

André Goyanna – Algumas condições favorecem o crescimento da próstata: fatores genéticos, diabetes, obesidade, tabagismo. Ter uma vida saudável com alimentação equilibrada e sem cigarros podem ajudar a diminuir as chances de apresentar o problema. É importante também procurar o urologista com frequência, sobretudo após os 45 anos.